Login to your account

Username *
Password *
Remember Me

Create an account

Fields marked with an asterisk (*) are required.
Name *
Username *
Password *
Verify password *
Email *
Verify email *
Captcha *
Reload Captcha

  fone

Quadrilha que fraudava vestibulares é presa em Itápolis Destaque

vestibular-FraudeInvestigações da polícia de Fernandópolis, em São Paulo, levaram a prisão de uma quadrilha que fraudava vestibulares.

Dezoito vestibulandos, que teriam se beneficiado do esquema criminoso, também foram presos. Computadores, celulares, um ponto eletrônico e documentos usados para fraudar vestibulares foram apreendidos na casa dos suspeitos, em Itápolis, na região de Bauru, e Goiânia. Três pessoas suspeitas de comandar o esquema foram presas.

O ponto de partida das investigações foi um vestibular de medicina, realizado na faculdade em Fernandópolis. A Vunesp, contratada para aplicar a prova, levantou a suspeita de fraude. A partir daí, os investigadores da cidade tiveram ajuda de policiais de outras regiões do país para encontrar a quadrilha que atuava em, pelo menos, seis estados.

A investigação, que começou em outubro do ano passado, foi concentrada na Polícia Civil de Fernandópolis. “O curso preferido era medicina. Detectamos também que haveria fraude em cidades como Uberaba e São João da Boa Vista. Comunicamos as autoridades policiais locais, resultando em prisões em flagrante”, diz o delegado Gerson Piva.

O esquema funcionava da seguinte forma: pessoas contratadas pela quadrilha se passavam por candidatos, faziam a prova, saiam da sala antes de terminar o horário de entrega do exame e passavam as respostas para os integrantes do esquema. O gabarito era repassado por mensagem de texto a quem havia pago.
O delegado responsável pelo caso diz que o bando agia há cerca de 20 anos e cobrava de R$ 40 mil a R$ 60 mil pelo gabarito das avaliações. A polícia quer saber agora quem são as pessoas contratadas para responder as provas e repassar as respostas.

Os estudantes presos durante a investigação pagaram fiança e responderão o processo em liberdade. Um advogado, também suspeito de fazer parte do esquema, está foragido. A Universidade Camilo Castelo Branco, de Fernandópolis, informou que, depois da identificação da fraude, aumentou o número de fiscais e passou a usar detector de metal para impedir a entrada de celulares. Também foi instalado um equipamento que impede a transferência de dados nos locais das provas.


Fonte:- Revistanet.com.br
A notícia aqui apresentada foi retirada da fonte acima citada, cabendo à ela o crédito pela mesma

Avalie este item
(0 votos)
Última modificação em Sexta, 12 Outubro 2018 13:49

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.