Login to your account

Username *
Password *
Remember Me

Create an account

Fields marked with an asterisk (*) are required.
Name *
Username *
Password *
Verify password *
Email *
Verify email *
Captcha *
Reload Captcha

  fone

Reintegração de posse em Ribeirão gera confronto

RIBEIRÃO PRETO - A reintegração de posse de favela no Jardim Aeroporto em Ribeirão Preto gerou confronto entre policiais e moradores nesta terça-feira (5). Cerca de 700 pessoas se reuniram na entrada do local para protestar e resistir à reintegração. Os moradores se recusaram a sair e incendiaram barracos para evitar a entrada de máquinas.

A Guarda Municipal foi a primeira a chegar. Os policiais tentaram negociar por meio do capitão Paulo Sérgio Fabbris, que tentou acordo para a desapropriação pacífica. Passadas 1h30 de conversas, os moradores fizeram uma barreira com pedaços de madeira para impedir a entrada da polícia e usaram galhos secos e ferragens para iniciar pontos de fogo. Após 3h de negociação, os policiais invadiram o local e retiraram os moradores a força.

A Polícia Militar usou a cavalaria, cães treinados, balas de borracha e bombas de efeito moral para controlar a situação. Alguns moradores foram atingidos e ficaram feridos. Vanderlei Caixe de Filho, representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB foi atingido por um tiro na perna.

A favela do Jardim Aeroporto tem aproximadamente 230 barracos onde vivem 700 pessoas. Segundo a prefeitura, a área é particular e começou a ser invadida em fevereiro deste ano e desapropriada pouco tempo depois.

Os barracos estão sendo demolidos com a ajuda de máquinas. No momento não há mais nenhum morador no local. Os policiais fazem a retirada dos pertences pessoais de dentro dos barracos, que serão levados para um barracão na Via Norte e, posteriormente, entregue aos moradores. Os manifestantes ameaçaram continuar o protesto em frente à prefeitura da cidade.
 

Caso

Segundo o coordenador da Comissão de Direitos Humanos da OAB Vanderlei Caixe de Filho, existe ordem judicial para a reintegração. "As famílias não tem para onde ir. Foram solicitados caminhões de mudança para levar embora o pouco que essas famílias tem, sem nenhuma garantia de local para dormir esta noite”, explica.

A OAB não tem detalhes a respeito da decisão. “Vejo como um equívoco. Tenho certeza de que se o governo aplicasse IPTU progressivo e coisas do gênero, certamente este direito a propriedade, usado neste país como simplesmente especulação, não aconteceria o que está acontecendo hoje, desapropriação, famílias ao relento, sem defesa estrutura”, comentou Caixe.

O representante da OAB afirmou que os moradores resistiram até onde puderam. "Porém, não vão conseguir resistir à força policial e a pressão que a Justiça coloca sobre eles".

Segundo o secretário da Casa Civil, Luchesi Junior, a requisição judicial foi ingressada pelo proprietário dos terrenos. A ordem judicial foi expedida pelo Juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Ribeirão Preto, Dr. Júlio César Spolatori Domingues.

Fonte EPTV

Avalie este item
(1 Votar)
Última modificação em Sexta, 12 Outubro 2018 13:49

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.