Login to your account

Username *
Password *
Remember Me

Create an account

Fields marked with an asterisk (*) are required.
Name *
Username *
Password *
Verify password *
Email *
Verify email *
Captcha *
Reload Captcha

  fone

A transferência do Cemitério

 Quando Taquaritinga foi fundada, ainda sendo chamada de Vila de São Sebastião dos Coqueiros, uma das primeiras providências que os pioneiros tomaram foi a instalação de um cemitério. O local escolhido foi onde atualmente é a Praça Dr. Horácio Ramalho. Um pouco mais para baixo, na direção do Ribeirãozinho, foi erguida uma capela, que hoje é o Santuário de Nossa Senhora Aparecida, e, onde está atualmente o prédio da Biblioteca Municipal e da Câmara, foi erguida a primeira casa de alvenaria, para servir de moradia para o padre. Algum tempo depois, onde atualmente é o prédio do ITES e antes foi o Paço Municipal, instalou-se a delegacia de polícia e uma cadeia.

 Vinte e oito anos depois, em 1896, Bernardino José de Sampaio, idealizador do movimento de fundação de Taquaritinga, agora chamada Município de Ribeirãozinho, faleceu. Um dos doadores de terras do patrimônio original, Andrelino Domingues da Silva, decidiu que Bernardino Sampaio não poderia ser enterrado naquele cemitério, que era pequeno. Decidiu doar terras para que fosse constituída uma nova necrópole, que é onde ela se encontra instalada até hoje. O local foi escolhido porque, reza uma antiga tradição, os mortos devem ser enterrados ao sul. O primeiro corpo a ser sepultado no atual cemitério local foi de Bernardino Sampaio.

Os corpos deixados no antigo cemitério não foram removidos à época. Nas primeiras décadas do século XX, para se reurbanizar a região central da cidade, foi decidido que seria construída uma praça naquele local. Durante as obras foram encontrados restos mortais das pessoas ali sepultadas, as quais não puderam ser identificadas porque não foi feito na época de seus enterros o devido registro histórico. Naquele tempo, o Ginásio e a Escola Normal de Taquaritinga funcionavam onde antes havia sido a Delegacia e a Cadeia; depois, a Prefeitura Municipal, e hoje, o ITES. Os alunos, surpreendidos com os ossos que surgiam sob a terra, insepultos, tomaram vários deles para si, os lavavam e os guardavam consigo, para impressionar amigos e familiares.

Avalie este item
(0 votos)
Última modificação em Sábado, 13 Outubro 2018 23:06

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.